Halloween

Thanksgiving

Five o'clock tea

Natal em Inglaterra

Saint valentine's day


HALLOWEEN

 

O Dia das Bruxas surgiu há dois mil anos quando povos celtas festejavam o fim do verão, o início do Ano novo e as fartas colheitas. A sua comemoração original chamava-se Samhain, também conhecida como o “Dia das Almas”, pois acreditava-se que na noite de 31 de Outubro acontecia o encontro entre o mundo espiritual e material.

Lendas e contos revelam que os mortos no ano anterior regressam e se encarnam nos vivos para dar uma voltinha pelo mundo terreno. Algumas pessoas dizem que os espíritos regressam para cometer atrocidades, colocar mau-olhado nas colheitas e ocasionar danos materiais. Outras pessoas garantem que os celtas acreditavam que as almas eram de membros superiores da Igreja Católica e eram inofensivas.


No mundo moderno, o Hallowe’en surgiu no século XIX, quando Irlandeses implantaram a festa nos Estados Unidos. A data tornou-se uma festa tradicional infantil na qual as crianças se fantasiam e pedem doces de casa em casa, dizendo:

” tricks or treats” – travessuras ou guloseimas.

A animação é tanta que dia 31 de Outubro é feriado nos Estados Unidos e o comércio registra alto volume de vendas, chegando a ser superior ao da época de Natal.

Jack-O-Lantern


Conta a lenda que um homem muito avarento chamado Jack não conseguiu entrar no céu porque era muito avarento, e foi expulso do inferno porque costumava pregar partidas ao diabo. Foi, então, condenado a vaguear eternamente pela terra carregando uma lanterna para iluminar

Trick or Treat (Travessuras ou Guloseimas)


A fórmula Trick or Treat originou-se na Irlanda, onde as crianças iam de casa em casa pedindo provisões para as comemorações do Halloween, em nome da deusa irlandesa Muck Olla. As crianças inglesas continuaram esta tradição vestidas com roupas extravagantes pedindo doces.
Hoje em dia, principalmente nos EUA, o Halloween é lembrado com muitas festas e com muita alegria. Nestas festas as pessoas usam máscaras e vestem-se como fantasmas, bruxas, Conde Drácula, Frankenstein, ou da maneira que achar mais engraçado ou horripilante. As crianças saem às ruas fantasiadas, batendo de porta em porta, pedindo por doces dizendo: " Trick or Treat". Quem não as atender pode ter uma desagradável surpresa, pois elas podem pregar-lhe alguma partida.

 

 

 

 

 

THANKSGIVING

 

 

Há muito tempo, pessoas chamadas “pilgrims”, deixaram as suas casas em Inglaterra e atravessaram o oceano para chegar à América. Viajaram num barco chamado “Mayflower”.
Lá, construíram as suas próprias casas, plantaram sementes que tinham levado e tornaram-se amigos dos Índios que já viviam na América.
Os Índios ensinaram-nos a semear milho, a caçar e a pescar para poderem sobreviver.
Depois do milho maduro, os “pilgrims” colheram-no. Esta foi a sua primeira colheita. Depois de acabada a colheita, fizeram uma festa
Para celebrar e agradecer a Deus a bênção de lhes ter dado comida suficiente para passar o Inverno.
À festa foi dado o nome de “THANKSGIVING”.
Actualmente, e sobretudo nos Estados Unidos, celebra-se o Thanksgiving (Dia de acção de graças) na quarta quinta-feira do mês de Novembro de cada ano, para prestar homenagem aos pilgrims corajosos, e para agradecer todas as bênçãos conseguidas.
Nesse dia reúnem-se as famílias à volta de um jantar onde está sempre presente um saboroso perú assado.

Retirado e adaptado da internet: “ELAINE’S THANKSGIVING”


 

 

 

Five o'clock tea

 

O chá das cinco surgiu porque a Duquesa Anna de Bedford, achava que o período entre o almoço e o jantar era muito longo para permanecer em jejum. Um dia, pediu à sua cozinheira um bule de chá com fatias de pão, bolo e biscoitos. Assim, começou o hábito inglês do chá das cinco, uma das tradições britânicas mais conhecidas no mundo.

 

MAS..... O chá das cinco também tem outra origem:

 

Sabias que foi uma portuguesa, D. Catarina de Bragança, que levou para Inglaterra a moda de beber chá?


Catarina de Bragança, princesa de Portugal, aquando do seu casamento com o rei D.Carlos II de Inglaterra levou como presente de casamento uma arca de chá da China, servindo-o na corte aos seus aristocráticos amigos, criando assim na corte vitoriana o hábito do chá das cinco.

 

 


Natal em Inglaterra

• Diz-se que o Natal em Inglaterra se celebra há mais de mil anos, e que já o rei Artur o celebrava, em 521.
• Hoje, é uma festa muito importante que envolve toda a gente: coros cantam indo de casa em casa, ouve-se música, tocam sinos e representam-se cenas da Natividade.
• A árvore de Natal não pode faltar e começou a ser colocada em todas as casas por volta do século XIX, juntamente com os ramos de azevinho e outras plantas verdes. Tudo fica decorado e iluminado.
• Os ingleses, por gostarem tanto do Natal, têm imensos livros, músicas e histórias, que se lêem, cantam, contam e ouvem nesta altura.

 

• A troca de prendas fica a cargo do Pai Natal (Santa Claus - de Saint Nicholas / São Nicolau - ou Father Christmas), que conta com ajudantes (que trabalham todo o ano para preparar as prendas todas para os meninos que se portaram bem) e as distribui num trenó puxado por oito renas, chamadas: Comet, Cupid, Vixen, Dancer, Prancer, Blitzen, Dasher e Donder.

• O Pai Natal vive no Pólo Norte, e na Noite de Natal, à meia-noite, desce pela chaminé das casas e coloca os presentes nos sapatinhos.
• Nunca ninguém o vê, mas deixam-lhe bolinhos e um copo de leite sobre a lareira para ele recuperar forças.

 

 

 

 

 

Saint valentine's day

História de São Valentim


As comemorações de 14 de Fevereiro, dia de S. Valentim, como dia dos namorados, têm várias explicações possíveis, umas de tradição cristã, outras de tradição romana, pagã.








A Igreja Católica reconhece três santos com o nome Valentim, mas o santo dos namorados parece ter vivido no século III da nossa era, em Roma, tendo morrido como mártir em 270. Em 496, o papa Gelásio reservou o dia 14 de Fevereiro ao culto de S. Valentim.

Valentim era um sacerdote cristão contemporâneo do imperador Cláudio II. Cláudio queria constituir um exército romano grande e forte; não conseguindo levar muitos romanos a alistarem-se, acreditou que tal sucedia porque os homens não se dispunham a abandonar as suas mulheres e famílias para partirem para a guerra. E a solução que encontrou, foi proibir os casamentos dos jovens! Valentim ter-se-á revoltado contra a ordem imperial e, ajudado por S. Mário, terá casado muitos pares em segredo. Quando foi descoberto, foi preso, torturado e decapitado a 14 de Fevereiro.
A lenda tem ainda algumas variantes que acrescentam pormenores a esta história. Segundo uma delas, enquanto estava na prisão

Valentim era visitado pela filha do seu guarda, com quem mantinha longas conversas e de quem se tornou amigo. No dia da sua morte, ter-lhe-á deixado um bilhete dizendo «Do teu Valentim».








Quanto à tradição pagã, pode fundir-se com a história do mártir cristão: na Roma Antiga, celebrava-se a 15 de Fevereiro (que, no calendário romano, coincidia aproximadamente com o início da Primavera) um festival, os Lupercalia. Na véspera desse dia, eram colocados em recipientes pedaços de papel com o nome das raparigas romanas. Cada rapaz retirava um nome, e essa rapariga seria a sua «namorada» durante o festival (ou, eventualmente, durante o ano que se seguia).

Com a cristianização progressiva dos costumes romanos, a festa de Primavera, comemorada a 15 de Fevereiro, deu lugar às comemorações em honra do santo, a 14.








Há também quem defenda que o costume de enviar mensagens amorosas neste dia não tem qualquer ligação com o santo, datando da Idade Média, quando se cria que o dia 14 de Fevereiro assinalava o princípio da época de acasalamento das aves.


Com os tempos, o dia 14 de Fevereiro ficou marcado como a data de troca de mensagens amorosas entre namorados, sobretudo em Inglaterra e na França e, mais tarde, nos Estados Unidos. Neste último país, onde a tradição está mais institucionalizada, os cartões de S. Valentim já eram comercializadas no início do século XIX. Actualmente, o dia de S. Valentim é comemorado em cada vez mais países do mundo como um pretexto para os casais de namorados trocarem presentes.


http://namorados.sapo.pt/

Algumas curiosidades

Um dos mais antigos cartões de São Valentim conhecidos foi enviado em 1415 pelo Duque de Orleães, prisioneiro na Torre de Londres, à sua esposa. A carta está guardada no Museu Britânico.


Em Inglaterra, as crianças vestiam-se como adultos e iam cantando, de casa em casa. Um dos versos fazia referência a São Valentim e a uma fechadura.


No país de Gales, eram gravadas colheres em madeira para oferecer no dia dos namorados. Corações, chaves e buracos de fechaduras eram as decorações preferidas nas colheres. A decoração significava: “Tu abres o meu coração!”.


Na Idade Média, os jovens retiravam nomes de uma taça para saber quem seria o seu “Valentim”. Usavam os nomes na manga durante uma semana. Actualmente, colocar um coração na manga indica aos outros os nossos sentimentos.



As setas de Cupido significam desejo.

Cupido (a adaptação romana do grego Eros) é filho de Vénus, deusa do amor (adaptada de Afrodite, deusa grega do amor e da beleza).
















 

 

 

 

 

voltar à página inicial